Pindamonhangaba

HISTÓRIA DA ATIVIDADE
Em 1983, o Alex e o Jorge Emídio, pensaram criar uma atividade de agrupamento que envolvesse, num jogo, elementos das quatro secções e os respetivos pais.
Essa atividade foi pensada para ser realizada anualmente, em Janeiro, por altura do aniversário do agrupamento, ou em Junho, nos Santos Populares, se o Agrupamento organizasse alguma festa nessa época.
Foi também intenção dos criadores tornar esta atividade tradicional no 75, tal como o Raid Star e, mais tarde, o StarLeader.
A escolha do nome Pindamonhangaba não foi, propriamente, uma homenagem à cidade brasileira(*), mas tão-somente a sua sonoridade singular e a difícil pronúncia, tanto que hoje, contorna-se a dificuldade dizendo-se apenas “Pinda”.
O jogo, desde a sua origem, desenrola-se formando equipas multi-secções (atualmente chamadas verticais), ou seja, compostas cada uma por aproximadamente 12 elementos: lobitos, exploradores, pioneiros, caminheiros e pais.
Os animadores atuavam na condução do jogo, em geral, nos postos.
O prémio para a equipa vencedora, como se compreende pela característica da equipa, nunca pode ser um só, mas sim tantos quanto o número de elementos, ou seja, os prémios são individuais.
Ao longo dos anos, foram se introduzindo algumas alterações (locais do jogo fora do Estoril, jogos temáticos, dar o prémio à equipa que ficou em último, participação de antigos elementos e outras variantes), mas basicamente a ideia tem se mantido: pais & filhos participarem num jogo divertido, como pretexto para juntar toda a família do 75.

(*) Cidade do Estado de São Paulo, a 132 km da capital, com cerca de 147.000 habitantes e banhada pelo Rio Paraíba do Sul.
A palavra deriva da língua indígena tupi, que significa “lugar onde se fazem anzóis” ou, como alguns estudiosos defendem:“lugar onde o rio faz a curva”.